Os pilares da violência infantil no Brasil

Postado em

Por master1305 – br.freepik.com

A obra literária escrita por José Mauro de Vasconcelos “Meu Pé de Laranja Lima” retrata o cotidiano humilde e inocente de Zezé, uma criança de cinco anos que já foi vítima de violência doméstica. Nessa conjuntura, é notória a semelhança entre ficção e realidade, haja vista que, devido a inúmeros fatores, os casos de violência infantil são cada vez mais frequentes na nação brasileira atual. Desse modo, compreende-se que o meio no qual as crianças estão inseridas aliado à naturalização da agressão física como castigo eficiente configuram os principais pilares dessa problemática.

É válido ressaltar, a princípio, que a suscetibilidade das crianças à violência infantil é determinada pelos contextos sociais de suas vivências. Nesse ínterim, o livro “Capitães de Areia”, de Jorge Amado, evidencia a realidade violenta e controversa de meninos do subúrbio soteropolitano. Sobre essa temática, fantasia e realidade compartilham do mesmo problema, já que um ambiente que negligencia os direitos infantis, ou seja, demarcado pela desestruturação familiar e recursos básicos irrisórios, torna-se mais propício à ocorrência dessa situação, a exemplo observa-se a recorrência desses casos com crianças de locais marginalizados. Dessa forma, o cenário de convivência dos infantes influencia diretamente na intensificação da violência infantil no país.

Outrossim, é incontestável que a utilização recorrente dos castigos físicos pela sociedade é um dos agravantes dessa questão. Nesse sentido, Oswald de Andrade relatou os empecilhos da sua infância, dentre eles as punições físicas, no seu poema “Meus 8 anos”. Com essa inferência, é perceptível que a prática de castigos físicos com intuito educativo não é algo recente, entretanto, apesar do objetivo compreensível, essa atitude se configura como o estopim para a agressão física doméstica na maioria dos casos, a título de exemplificação tem-se que as crianças contemporâneas estão cada vez mais suscetíveis à violência dentro de casa. Dessa maneira, conclui-se que a reformulação desse costume enraizado no cotidiano brasileiro deve ser efetivada.

É mister, portanto, que o Estado, em parceria com órgãos estaduais, efetive políticas públicas responsáveis por humanizar os espaços marginalizados, por meio de programas específicos para cada região – que implementem esses contextos com lazer, educação e auxílio básico – com o efeito de mitigar a ocorrência da violência infantil nos meios mais desestruturados da nação. Ademais, urge que o Ministério da Tecnologia, conjuntamente com as secretarias educacionais, promova uma consciência crítica acerca dos castigos físicos, através de artigos conscientizadores – divulgados nas redes tecnológicas – com o fito de atenuar os índices da agressão infantil. Assim, com essas iniciativas, a realidade abordada em “Meu Pé de Laranja Lima” será desfeita.

Texto de Vitória Mota
3º ANO
Colégio e Curso Gauss

Clique e participe dos nossos grupos de WhatsApp:
Se Liga Barreiras 01
Se Liga Barreiras 02

Deixe seu comentário