Boxe

Rui Costa anuncia novos centros de canoagem, de boxe, de lutas e unidades poliesportivas

Postado em

Foto: Camila Souza/GOVBA
Durante o programa Papo Correria desta quarta-feira (11), o governador Rui Costa falou sobre o edital do Bolsa Esporte, que foi lançado no último sábado e destinará R$ 1,2 milhão em apoio aos atletas baianos, e anunciou novidades como a transformação do Centro Pan-americano de judô, localizado no município de Lauro de Freitas, em um espaço para todas as lutas de contato.
Ele também informou que entregará um terceiro Centro de Canoagem nas próximas semanas, na cidade de Ubatã, e disse que ainda este ano entrará em funcionamento o Centro de Treinamento de Boxe, na região da cidade baixa, em Salvador.
Rui Costa ainda falou sobre a instalação de pistas de atletismo e campos de grama sintética em todos os batalhões da Polícia Militar da Bahia e a implantação de Centros Poliesportivos vinculados às escolas da rede estadual de ensino.

Tóquio: Bia Ferreira e Hebert Conceição vão lutar pelo ouro no boxe

Postado em

© Miriam Jeske/COB
Os baianos Beatriz Ferreira e Hebert Conceição estão nas finais do boxe na Olimpíada de Tóquio (Japão). Atual campeã mundial, a peso-leve brasileira avançou após vencer a finlandesa Mira Potkonen, na categoria até 60 quilos, por decisão unânime dos árbitros (5 a 0). Na disputa masculina da categoria peso-médio (75 kg), Conceição superou o atual campeão mundial Gleb Bakshi, do Comitê Olímpico Russo (ROC, na sigla em inglês), por 4 a 1, também por decisão dos juízes. Ambos os duelos ocorreram na madrugada desta quint-feira (5) na Arena Kokugikan, na capital japonesa.
É primeira vez na história dos Jogos Olímpicos que o boxe brasileiro se garante em duas finais olímpicas em uma mesma edição dos Jogos. Além disso, o esporte já assegurou três medalhas em Tóquio, já que além de Bia e Hebert, Abner Teixeira (categoria 91kg) conquistou o bronze.
Pela terceira vez nos Jogos, Bia disse estar ansiosa para enfrentar pela primeira vez na carreira a irlandesa Kellie Harrington, campeã mundial em 2018.
“Queria muito essa luta. Participamos de alguns campeonatos, mas infelizmente não chegamos a lutar. Ela é campeã mundial, tem todo o meu respeito e estou bem ansiosa para esse espetáculo. Espero sair com a vitória e mandar essa medalha para o meu pai”, afirmou a baiana, em depoimento ao Comitê Olímpico do Brasil (COB).
A final feminina será às 2h (horário de Brasília) de domingo (8), dia do encerramento dos Jogos de Tóquio.

Logo após a luta da compatriota, foi a vez de Hebert Conceição entrar no ringue contra Gleb Bakshi, do ROC, que já havia derrotado o baiano na semi do Campeonato Mundial em 2019. Mas nesta quinta (5) Conceição levou a melhor.
“Estava um pouco tenso antes da luta, como sempre fico. Acho que temos que ter essa adrenalina, treinei muito com a minha equipe. Foi bom que consegui reverter mais essa revanche. Peguei uma chave muito dura”, contou o pugilista ao COB.
O brasileiro disputará o ouro no sábado  (7), às 2h45 (horário de Brasília), em final contra o ucraniano Oleksandr Khyzhniak.

Trajetórias

Beatriz Ferreira estreou nos Jogos Olímpicos com vitória contra Shih-Yi Wu, de Taiwan. A brasileira venceu com julgamento unânime dos juízes(5 a 0), garantindo a classificação para as quartas de final. Na sequência, ela encarou a uzbeque Raykhona Kodirova, que também foi derrotada por decisão concordante dos cinco árbitros.
Já Hebert Conceição estreou com vitória contra o chinês Erbieke Tuoheta em decisão por pontos. No julgamento dos árbitros, a luta terminou com o resultado de 3 a 2. Na sequência, nas quartas de final, o brasileiro derrotou o cazaque Abilkhan Amankul. A vitória foi por decisão dividida, com três juízes dando o triunfo ao brasileiro e dois ao pugilista do Cazaquistão.

Fonte: Agência Brasil